Mensagem em Pessoa

Lugares limitados. Inscrição obrigatória por mensagem por Facebook ou para incursoeshermeticas@gmail.com

Mensagem em Pessoa – Brasão | Castelos
Local: Sé de Lisboa
Data: Domingo, 17 de Setembro de 2017
Início da Visita: 10:00
Final previsto: 13:00
Preço da visita: 15 € (25 € para casais); gratuito para crianças com menos de 12 anos. Entrada na Sé não incluída. Supõe-se gratuita ao Domingo.

Descrição:

Série de visitas guiadas com leitura e explicações ao redor da “Mensagem” de Fernando Pessoa. As perguntas, as chaves, os simais e os símbolos.

São 6 Visitas a 6 Lugares Mágicos ao redor das palavras de Pessoa

Setembro 10
Palácio Nacional de Sintra – Brasão | Campos

Setembro 17
Sé Catedral de Lisboa – Brasão | Castelos

Setembro 24
Quinta da Regaleira – Brasão | Quinas, Coroa e Timbre

Outubro 1
Mosteiro dos Jerónimos – Mar Português | Possessio Maris

Outubro 8
Convento dos Capuchos de Sintra – Encoberto | Symbolos

Outubro 15
Palácio da Pena de Sintra – Encoberto | Avisos e Tempos


Excertos das visitas:

Mensagem em Pessoa – Primeira Visita

Anúncios

Ordem de São Miguel da Ala – Maio em Belmonte

sladtsdda_01

Há uns quantos anos o Nuno da Câmara Pereira convidou-me a dar-lhe uma ajuda na Ordem de São Miguel da Ala, de que era Comendador-Mor, porque havia que reabilitar o Colégio do Menino Jesus em Carnide, uma instituição de solidariedade social apadrinhada pela Ordem há muitas décadas, que tinha caído no descrédito junto às autoridades de tutela, estando em vias de fechar, sem alunos, sem dinheiro e com funcionários com salários em atraso.

Maus anos de gestão, más decisões, pouca atenção ao propósito real (Real diria..) de uma Ordem com as características da Ala, muita mágoa, levavam então o Nuno a retomar com muita paixão a liderança da Ordem depois de se ter afastado na maré de uma carreira musical intensa. O seu regresso era crucial, contando com a totalidade dos fundadores originais da Ordem ainda vivos, da qual tinha sido um ele mesmo, ainda um jovem desconhecido do mundo do espectáculo, no dia longínquo em que assinara a escritura, entre pares, entre augustos valentes com um propósito.

Associei-me com gosto. Relembro a cerimónia na Igreja de São Miguel, junto ao Castelo em Lisboa. Como poderia esquecer? Seguiram-se meses de luta pelo legado, em perigo, colégio, ASA e tudo. De um momento para o outro os sinais da Ordem caíam na rua, apareciam como adesivos colados em faiança, disfarçados de verdadeiros não eram reais, como num jogo de espelhos havia Alas de São Miguel desde Sagres até Bragança… Havia que por ordem (diria “por Ordem”) na fancaria como se punha já no colégio. Em pouco tempo o colégio já não precisava de fechar. Devido às muitas horas de dedicação de muitos, deu-se a reviravolta. Limparam-se contas, motivou-se a equipa, enfrentaram-se os problemas, criaram-se soluções, planeou-se e executou-se com as crianças e as famílias em mente. Hoje o resultado é pouco menos que prodigioso. Abrem-se as portas sem vergonha.

 

Em paralelo apareceram algumas polémicas. A Ordem, relutantemente, viu-se forçada a recorrer à justiça. É que, enquanto no colégio se reparava o estrago com trabalho e suor, foi necessário fazer prevalecer a verdade acima da ambição e da fantasia com recurso a instâncias oficias. Desde muito cedo que a media apanhou o fio do que viria a ser um longo processo. Instância sobre instância, em serena cadência que caracteriza os que confiam na indiscutível vitória da verdade, a Ordem foi vendo a sua identidade reforçada e o seu direito defendido por sentenças sistemáticas a seu favor. A atribuição de indemnizações e a execução de penhoras a quem havia ultrapassado as fronteiras da lei só se deu em consequência de uma teimosia mal informada e da noção incorrecta de que a lei poderia, de algum modo, proteger uns em face de outros pelo simples facto de serem qualquer outra coisa que não homens comuns e todos por igual sujeitos à mesma lei. É meu desejo que o futuro seja de paz e com menos títulos de jornal, agora que tudo é bem claro.

O saldo que faço destes anos de trabalho com os meus confrades é positivo. Vale a pena acreditar quando se tem a lucidez e a razão, quando a elas se adiciona a Fé e se labora na obra humana, colectiva e disciplinada de uma Ordem. Muitos há que preferem ser o resultado do passado a ser a causa do futuro. Por isso vamos ao futuro que se faz tarde.

BELMONTE

Escrevo sobre a Ordem de São Miguel da Ala porque, em todos estes anos em que aqui vou publicando, poucas vezes lhe fiz referência.

Ora, dá-se o caso de que no passado dia 7 de Maio tive o prazer de ver dois distintos amigos brasileiros serem armados Cavaleiro e Dama de Ordem numa cerimónia em Belmonte. Tratou-se de Alexandre e Chaia Figueiredo, advogados do Rio de Janeiro, residentes no nosso país desde o ano passado.

sladtsdda_11

Porquê o dia 7 de Maio?

A Ordem de São Miguel tem uma fundação mítica justificada pela lenda da conquista de Santarém. Naquela tarde de Março de 1147 conta-se que as nuvens ao sol poente desenhavam uma grande asa colorida nos céus, de ocidente para oriente. Este efeito, como um mau agoiro, atemorizou a guarnição moura que defendia a fortaleza da cidade que, em vão, vigiava as planícies infindas às sua frente a sul. Não seria dessa direcção que a sua segurança seria ameaçada.

Já noite escura pouco mais de duas dezenas de soldados liderados por Afonso Henriques, chegados pelo norte, dominaram os vigias e sentinelas, entrando no castelo e surpreendendo a guarda. Santarém caiu definitivamente em mãos cristãs. A Asa no céu não foi esquecida. Corria a voz que, durante as escaramuças, havia quem tivesse visto a mão de Afonso Henriques coberta por uma mão luminosa e alada, que, dizia-se, só podia ser do Arcanjo seu protector. A lenda termina com o agradecimento de Dom Afonso, decidindo conferir a alguns dos seus mais privados a Ordem de São Miguel da Ala no São Miguel de Maio, a dia 8.

sladtsdda_05

A história não tem documentos que possam suportar a lenda. Sabe-se no entanto que a Ordem teve a sua presença, ainda que diminuta – e talvez por isso, constituída por particular escol – na história, sendo ocasionalmente referenciada como tributária da Ordem de Cister. Já no século XIX D. Miguel terá constituído um grupo nela inspirado, com características quasi maçónicas e imbuída de total secretismo, cujos objectivos puramente políticos a afastam da tradição mais antiga. Essa tradição antiga é a que São Miguel da Ala de hoje retoma.

Porquê Belmonte?

Belmonte está indissocialvelmente ligada à família dos Cabrais. Pedro Álvares Cabral foi o achador do Brasil. Tal como muitos dos Almirantes da época das Descobertas, a sua origem não era próxima do mar. São exemplos Pêro da Covilhã, Antão Gonçalves (Oliveira do Hospital), Diogo Cão (Monção), Afonso de Paiva (Castelo Branco), Bartolomeu Dias (Mirandela), Nicolau Coelho (Vale do Sousa), etc. A ligação de Belmonte a Cabral e do legado desta família a São Miguel da Ala é mais do que simplesmente simbólica. Bastará recordar o papel que o Brasil representa em toda a nossa história, até aos dias de hoje. De como a língua e a cultura de ambas as nações as irmanam. Basta consultar a obra e biografia de Vieira, Anchieta, Pessoa ou Agostinho da Silva para sublinhar a origem e destino comum do Portugal e Brasil. Belmonte é, assim, um lugar que simboliza de modo muito visível a unidade espiritual que entrelaça os dois lados do Atlântico.

sladtsdda_03

Acresce que o Comendador-Mor da Ordem, o Nuno, se chama de facto Nuno Cabral da Câmara Pereira e que esse Cabral lhe chega por via directa, como descendente do pretérito Pedro. Isso mesmo teve oportunidade de sublinhar, com bastante mais detalhe que aqui não cabe, durante a cerimónia oficial de abertura do dia de São Miguel em Belmonte.

Finalmente, a Ordem e Belmonte reforçam a sua estreita relação com a celebração de um acordo histórico que se resume em poucas palavras: por iniciativa conjunta, a sede oficial da Ordem será o Castelo de Belmonte, atribuição confirmada e anunciada pelo Presidente do Município, António Rocha, entusiástico anfitrião das celebrações. A ele se deve a vontade expressa por muitos dos visitantes em regressar para melhor desfrutar da paisagem, património e gastronomia da região, que superou as expectativas dos que não a conheciam. E eram muitos.

sladtsdda_02

Para estas cerimónias fizeram-se presentes Irmãos de várias Ordens de Cavalaria, destacando-se o Duque de Maqueda, Grande de Espanha, com uma numerosa delegação, bem como muitos Irmãos de França, Espanha, Itália e Brasil. A festa incluiu a visita ao magnífico Museu (interactivo) das Descobertas, ao Castelo de Belmonte, ao Cellium, bem como um desfile da Cavalaria pelas ruas principais em direcção à igreja onde, de portas abertas à população, teve lugar a cerimónia de armação de novos Cavaleiros e Damas e a tradicional missa. Nem a chuva persistente e os ventos fortes detiveram os Cavaleiros. Dizia um visitante: “chuva civil não molha militares”! E lá foram ao castelo!

As poucas fotos que pude tirar não ilustram com justiça os procedimentos do dia. Tentarei por isso complementá-las com um curto texto.

sladtsdda_06

A CERIMÓNIA

A cerimónia começou com o desfile de Cavaleiros e Damas pelas ruas de Belmonte precedidos pela banda filarmónica, em marcha firme, terminando no adro da igreja, lugar onde se dá a entrada ordenada e em modo militar na igreja. Os dignitários ocupam os seus lugares. SAR Dom Pedro de Loulé preside, sentado à esquerda. Junto ao altar está o Capelão, Padre Delmar e dois sacerdotes espanhóis que acompanham os visitantes. Os Oficiais da ordem estão nas primeiras filas, dirigidos pelo Comendador-Mor e Marquês de Castelo Rodrigo, Nuno da Câmara Pereira. Atrás, em várias linhas de assentos, todos os Irmãos e Irmãs nos seus mantos brancos. Ainda mais atrás o grupo de postulantes que serão armados de seguida. A igreja está cheia, mas ainda tem espaço para um conjunto muito grande de habitantes de Belmonte, que seguem cada momento da cerimónia com grande interesse, muitos de telemóvel na mão a fotografar.

O Reverendo Cavaleiro Pinto Coelho aproxima-se do ambão e inicia a Exortação à Cavalaria. Explica em palavras certeiras, numa voz de comando pausada e bem colocada, o que é a Cavalaria e o que se espera de cada um dos postulantes uma vez assumidos os compromissos de São Miguel. Recorda-se a nossa história, fala-se do fundador mítico, Afonso Henriques e dos feitos de Santarém. Sublinha-se o serviço e a causa.

O Kyrie e o Gloria in Excelsis são cantados por uma intérprete de assinaláveis dotes vocais, acompanhada ao piano e violino.

sladtsdda_07

Os postulantes aproximam-se do altar. A espada é benzida e preparada para a sua função sacra. Ajoelham-se postulantes um a um diante da dupla autoridade representada pelo Comendador-Mor (em nome do Ordem) e do Capelão-Mor (a Igreja). Em posição de súplica ouvem as palavras de ambos. A espada, pesada, reluzente, ergue-se ao céu imponente. É o momento. O postulante baixa a cabeça e o Comendador-Mor consagra o Cavaleiro. O Capelão-Mor, pela bênção, sela o laço fechado. Ajoelhou-se postulante, mas levanta-se Cavaleiro, inteiro, vertical, coberto pelo manto alvo e puro, uniforme entre todos os companheiros da Cavalaria, capa de protecção e sinal de confraternidade.

sladtsdda_08

Segue-se a celebração da missa. A igreja, até ali cheia de olhares curiosos, diferenciada entre os Cavaleiros e os crentes que os observam, transforma-se. Com o Capelão-Mor, concelebrando com os outros sacerdotes, a igreja converte-se na sala de visitas de Deus. Passa a ser um lugar onde todos celebram em festa a Fé que lhes é comum. Já não há distinções. Todos são parte da mesma comunidade que deseja celebrar a Eucaristia.

A Ordem de São Miguel da Ala tem sentido a Asa protectora em muitos momentos. Mas é nas inspiradas homilias do Padre Delmar, na sua oratória que ordena palavras e imagens vivas sem esforço, que toda a cintilante luz do Arcanjo se vai espargindo pelos presentes. Desta vez quis-nos deliciar com uma breve exposição sobre a Palavra como Espada, recordando São Paulo. Sem esforço, foi acompanhado por uma atenta audiência, cativa de cada uma das suas palavras. Como uma delícia breve e que pede por mais, o momento pareceu rápido. Passou à liturgia eucarística e à comunhão.

sladtsdda_09

A cerimónia terminou de forma emotiva com uma oração à Virgem Mãe pelo Nuno, num registo diferente daquele que se lhe conhece do fado, a capella, que fez ressoar cada pedra viva daquela igreja.

Seguiu-se a ceia de gala, degustação muito apreciada das especialidades da região. Num ápice era hora de regressar a casa. Ficou o agradecimento ao novo amigo António Rocha, Presidente da Câmara, a SAR Dom Pedro de Loulé, que nos agraciou com a sua imprescindível presença, ao Capelão-Mor Padre Delmar que é sempre um exemplo excelso e inspirador, a todos os Cavaleiros e Damas da Ordem que trabalharam de forma árdua para que tudo corresse de maneira digna e no cumprimento e estrita observância da Tradição e sobretudo ao Comendador-Mor, Nuno da Câmara Pereira que, em tão inspirada hora, há tantos anos, me convidou a partilhar da sua árdua tarefa e como, com o seu entusiasmo, o seu alento e a sua liderança, leves se fizeram os fardos que aqui nos trouxeram. Obrigado Nuno.

sladtsdda_10

Fica para último a referência a três amigos que saíram de Lisboa como Postulantes e voltara como confrades. Alexandre e Chaia, que escolheram o meu país para morar, tomem esta cerimónia como um sinal das boas-vindas. Ao Fernando Coelho, providencial ajuda para que se proporcionasse a minha presença em Belmonte, um grande abraço de instantânea amizade. Fomos desconhecidos um do outro. Voltámos Irmãos. É isto a Cavalaria, não é Fernando?

Tarot – Mistério e Caminho

12998577_1132233676828634_6024968755071948596_n

“Poucas ferramentas de auto-conhecimento têm o potencial iluminador do Tarot, exibindo ao mesmo tempo um sistema coerente e intuitivo ao alcance de todos. Talvez por isso seja das ferramentas mais vulgarizadas e, por isso, muitas vezes afastada da sua real função e propósito. Seguindo o método dos Builders of the Adytum, sistematizado por Paul Foster Case a partir do sistema de Arthur Edward Waite, com uma ligação íntima à Árvore da Vida, o Curso está pensado para quem nunca estudou o Tarot, bem como para todos aqueles que, já o conhecendo e o usando, procuram saber um pouco mais. O Curso de Tarot não se destina a quem queira aprender a ler o futuro nas cartas. Destina-se a quem queira conhecer-se e, por isso, construir conscientemente o seu caminho. Não se destina a quem procure um meio de deslumbrar os amigos com truques. Destina-se a quem queira, sem truques, descobrir o assombro interior. Conjunto de sinais e ideaogramas iniciáticos, dispersos mistérios reunidos num só baralho, o Tarot é um propiciador de meditações e transformação, um sereno auxílio a quem não tem receio de mergulhar no mais profundo de si mesmo, sem bússola nem vieira, sem companhia nem destino. Como um louco.

Lugares Limitados
Informações e Inscrições:
geral@towards-the-rainbow.pt

Preços:
60 € todo o Curso presencial
50 € todo o Curso em aula Online simultânea
15 € aula avulsa presencial
15 € aula avulsa online

LOCAL
Towards The Rainbow
R. João da Silva, 14A
Areeiro 1900-271
LISBOA
geral@towards-the-rainbow.pt

6 aulas inicio dia 20 de Abril

PROGRAMA

Ao longo das 6 aulas serão abordados os seguintes assuntos:

– O que é o Tarot
– Origens míticas do Tarot / Origens históricas do Tarot
– Conceitos Simbólicos e Iniciáticos do Hermetismo que Fundamentam o Tarot
– O Tarot como agregado de Conhecimento e Experiência directa do Inconsciente
– O TAROT como Rota
– O TAROT como Tora(h)
– O TAROT e o A(c)tor
– O TAROT como Jogo/ Ioga
– Influência do Século XIX no Tarot: Eliphas Levi, Golden Dawn, Papus
– Da Árvore da Vida ao Tarot – Fundamentos e Explanação
– Tarot: Orgânica – Uma visão do Mundo, 10 Emanações e 4 Mundos em 4 Naipes
– Tarot: Orgânica – O Piloto da Onda Viva: os Arcanos Maiores
– Tarot: Simbolismo – Estudo de cada Naipe
– Taror: Simbolismo – Estudo de cada Arcano Maior
– Tarot: Prática – Métodos de estudo pessoal – O oratório e o Espaço Sagrado
– Tarot: Prática – Métodos de estudo pessoal – A Rota Pessoal
– Tarot: Prática – Métodos de estudo pessoal – A Viagem ao Inconsciente
– Tarot: Prática – Métodos de estudo pessoal – A Chegada
– Tarot: Exercícios

I Shot The Sheriff

sic

O vídeo é indescritível e por isso impossível de recomendar com um link. No entanto mais de 1 milhão de pessoas ao redor do mundo o viram. A partilha do terror não conta com a minha conivência. A comodificação das emoções não me agrada. Por isso não recomendo o vídeo de horror. Cito-o porque é tempo de falar dessa comodificação, fenómeno novo que a internet exponencía.

Voltando ao vídeo. Sinaloa, México, um grupo de polícias regressa ao carro e fecha as portas deixando o local a alta velocidade. O local é o de um desacato, onde um grupo de homens arrasta um outro pelo chão. A polícia já lá não está. Esteve. Viu. Retirou-se. O homem é arrastado para trás de um carro, entre os gritos de uma mulher e empurrões. A testemunha com o telemóvel é um familiar, desesperado. Escondido da vista, o grupo agride e depois, com um tiro, mata o homem que implora no chão. A polícia já está longe. Soube-se depois que o vídeo retrata o grupo de El Chapo a executar um membro dos rivais Los Zetas, em 2011. Só agora foi divulgado por uma organização clandestina e secreta de jornalistas, os Reporteros Asociados de Sinaloa. A polícia investigou agora e, perante a exposição viral do vídeo, não pode ignorar o que ignorou há 5 anos. Em menos de uma semana a investigação concluiu que foram os polícias que identificaram a vítima na rua e chamaram os assassinos, abandonado então o local. Seis deles estão presos, acusados de homicídio e conivência. Um deles é o xerife.

Mas por que motivo este vídeo se destaca de tantos outros que correm a net com semelhantes actos, especialmente num país como o México, onde a guerra de cartéis de droga já provocou mais de 150.000 mortos? Por que motivo deu já origem a movimentos de indignação, partilhas nas redes sociais, protestos nas ruas e uma investigação rápida e certeira das autoridades? Porquê esta vítima entre 150.000?

A resposta é simples. O efeito viral fez com que ele chegasse a nós através de múltiplos canais, fazendo com que não o pudéssemos ignorar. Impôs-se. Desviamos o olhar, mas ele lá estava, no Twitter, no Facebook, no Jornal das 9. Como o Charlie Hebdo, os atentados de Paris, a foto de Alan Kurdi, o rapaz Sírio que morreu nas praias da Europa grega. O choque. O terror. Não deixando desviar o olhar.

Ora, há muito que sabemos que a media (incluindo a social, como o Facebook e o Twitter) vive de alimentar as emoções dos destinatários da mensagem. Todas as emoções, boas e más. O carinho pelos gatinhos, tal como o horror pelas decapitações do DAESH. Quando os criadores da mensagem são igualmente os destinatários e não há um editor intermediário (como num órgão de informação tradicional), o editor passa a ser cada um de nós, sem filtros. E por isso, o medo de um repercute-se e espalha-se como um virus (por isso de maneira viral), alimentando-se do medo de outros. O horror de um faz ricochete na indignação de outros. Cresce a onda viral, que contamina tudo, à medida que partilhamos e lhe damos força, à medida que contaminamos os que estão na nossa lista de amigos. Todas as semanas há uma imagem de horror. Todas as semanas há um vídeo, uma foto, um cadáver, um motivo de alarme, uma imagem do medo, um gatilho para a indignação.

Há hoje mais violência no mundo?

Reformulando a pergunta: matar à queima roupa um membro de um clã rival de criminosos é coisa nova? Decapitar vítimas de sequestro com uma cimitarra afiada é invenção recente? Lançar o caos e a morte numa capital europeia é acto nunca antes visto na história deste pacífico e calmo continente? Ver as autoridades serem coniventes com assassinos nunca aconteceu antes? É coisa rara? Inaudita? Que crianças morram em travessias criminosas, em embarcações impróprias, num perverso acto de tráfico humano é facto ignorado até há poucos meses? A corrupção de políticos, as fraquezas de carácter de muitas figuras públicas, os impostos por pagar e as contas nas Ilhas Caimão são coisa de hoje? Apareceram hoje? Há mais hoje do que antes?

Não.

O que acontece hoje, é que todas estar coisas e muitas mais, que nos induzem um sentido de injustiça, desordem, medo e terror (que alimentam as nossas emoções mais instintivas de sobrevivência pela anulação do outro, herança de um cérebro animal), tudo isso aparece no nosso feed. Em tempos aparecia da televisão, mas dessa nós desligávamos e mudávamos de canal. O nosso feed não. É o “alimento” que nos alimenta.

Ora, para o feed – output da media que o gera – o conteúdo é uma commodity. Uma simples mercadoria. Que nós geramos de livre vontade e a preço zero.

As emoções que adicionamos ao conteúdo que criamos têm um valor para nós. Não para a media. Geramos o conteúdo gratuitamente porque investimos emocionalmente nele. Sentimos o seu valor. Partilhamos o que nos “diz” alguma coisa e está de acordo com o que sentimos. É este investimento emocional que dá valor às commodities “medo”, “terror” e “indignação”. Comodificamos assim as emoções. Este é um fenómeno novo.

É um fenómeno novo porque nunca antes as nossas emoções tiveram um meio de alimentarem as emoções em massa de maneira tão automática e inconsciente, de modo instantâneo, ao serviço de um media que as distribui em massa.

Devemos saber, contudo, que há regras gerais que se verificam no valor das commodities. Quanto mais escassas (como o ouro, ou a platina, ou o trigo fora de estação), mais valiosas são. Quanto mais vulgares e abundantes, mais o seu valor deprecia.

Comodificar as emoções e particularmente as que são suscitadas por imagens de horror ou medo, como o crime em todo o seu detalhe, ou a miséria humana e o desespero, levará inevitavelmente à indiferença e ao adormecimento do sentimento. A partilha instintiva do “boneco” do terror é, para todos os efeitos práticos e deontológicos, a colaboração involuntária no objectivo do perpetrador do acto. A utilização até à exaustão de imagens de sangue, lágrimas, violência, injustiça, insegurança ou medo é o caminho certo para que a sua eficácia (ou seja, o valor da commodity) se reduza a nada com o passar do tempo. Por este motivo, é um acto insensato.

Insensato porquê? Porque o medo, o horror e a sensação de injustiça são os geradores da indignação, mecanismo que pode produzir a mudança. São fundamentais à dinâmico social. Ao depreciar cada uma dessas emoções, tornamo-nos, como sociedade, cada vez mais adormecidos, menos capazes de intervir e mudar. Tudo parece normal. Aceitável. Tornamo-nos manipuláveis. Ficamos vulneráveis. Aos poucos, os maiores actos de barbárie parecerão coisas normais e correntes, próprias do tempo e da natureza humana. Quando assumimos que “todos os políticos são corruptos” deixamos de ir votar e damos um golpe na democracia. Quando achamos que “todos os Muçulmanos são terroristas”, deixamos de ver o outro como ele é e passamos a vê-lo como o medo o pinta. Quando somos todos “Charlie”, ninguém é Charlie.

Por isso, da próxima vez que uma foto ou um vídeo lhe cause horror, lhe mostre a violência em close-up em carne viva, ou desumanize o outro e o torne em objecto abjecto, pense duas vezes antes de o partilhar. Pense duas vezes antes de se tornar viral. Não deixe que o feed o alimente de veneno.

A prova pode tirá-la agora: clicou na imagem com que inicia o post na esperança de ver o vídeo?

Desejo que não. Mas se o fez, já viu que não há link.

Agora a prova final: consegue não ir procurar o vídeo para o ver?

Pois eu desejo que sim…

Curso de Alquimia – Estudos, Princípios e Problemas

10370989_447644382099577_1087508550754150199_n

Curso: Alquimia I – Estudos, Princípios e Problemas
Por Luis de Matos

Ao longo de 5 aulas, uma introdução aprofundada e clara à Ciência Hermética, matéria fundamental a qualquer estudante interessado nas Ciências Tradicionais.

PROGRAMA
Aula #1: A Alquimia, definição, as suas diversas vertentes, origem e vias, de acordo com o sujeito da Grande Obra. Princípios, elementos, energia, matéria. Ars Magna.

Aula #2: Concepção Unificada do Universo Manifestado, Fiat Lux, materialização, reintegração, Solve et Coagula.

Aula #3: História e Obra, Paracelso, Nicolas Flamel, Basile Valentin, entre outros. Alquimia no século XX: Fulcanelli, FA R+C, Solazaref e outras escolas.

Aula #4: Iconografia Alquímica

Aula #5: Ora et Labora, o laboratório, Alquimia laboratorial prática

Lugares Limitados
Informações e Inscrições:
ihshi@mail.com
geral@towards-the-rainbow.pt

Preços:
50 € todo o Curso presencial
40 € todo o Curso em aula Online simultânea
15 € aula avulsa presencial
15 € aula avulsa online

LOCAL
Towards The Rainbow
R. João da Silva, 14A
Areeiro 1900-271
LISBOA
geral@towards-the-rainbow.pt
5 Aulas – 4ªs feiras, das 21h às 23h
13, 20 e 27 Jan., 3, 10 Fev.

6 perguntas sobre o “Bestiário Maçónico”, o último livro de Luis de Matos

12236962_965305233522658_615066448_o

De onde surgiu a ideia de fazer uma compilação dos animais simbólicos presentes nos ritos Maçónicos?

Já foi há uns anos. Estava a estudar o simbolismo do Leão, porque faz parte central do Rito Escocês Rectificado, que me interessa especialmente. Há muitos dicionários maçónicos e simbólicos, mas a maioria das vezes não ajudam muito. Por exemplo, em quase todos os casos, relativamente ao Leão, referiam que estava num quadro do 4º grau do Rito Escocês Rectificado, junto a uma legenda em latim. Ora, isso já eu sabia. Era por isso que procurava o significado… Era como ir a um guichet de informações perguntar como chegar ao Rossio e dizerem que fica na Praça D. Pedro IV, também conhecido como Rossio, bastando para tal dirigir-me ao Rossio!… Outros dicionários entravam na vertente alquímica, com a relação entre o Leão e os ácidos. Certo, certo. Mas é na Maçonaria? De onde aparece. O que significa? Que motivo levou a que fosse ali colocado? O livro surge então numa tentativa de responder a esta questão. Aos poucos começaram a aparecer outros animais e, puxando pelo fio, fui encontrando mais e mais. No início ainda pensei que já haveriam Bestiários Maçónicos publicados. Há uma sólida tradição de Bestiários Medievais muito interessantes, quer do ponto de vista lendário, quer iconográfico. Mas não encontrei, quer em Portugal, quer nos estrangeiro, nenhum que fizesse a lista dos animais que aparecem nos rituais da Maçonaria e o seu significado. Isso tornou o projecto ainda mais aliciante. Depois falei com o pintor Pedro Espanhol, desafiando-o a criar uma sequência de quadros sobre o mesmo assunto, visto da sua perspectiva muito única. A capa do livro faz parte dessa sequência. No fundo é um contributo muito simples e muito inicial para uma área de estudo ainda não sistematizada. Espero que o livro inspire outros autores a ampliarem não só a lista de animais, como o seu significado. Fica o convite.

Os rituais maçónicos referem assim tantos animais, que cheguem para um livro?

Sim. De facto inicialmente pensei em fazer apenas um artigo de fundo para alguma das publicações em que colaboro. Mas este trabalho obrigou-me a voltar à sequência de graus dos muitos sistemas de ritos e altos graus da Maçonaria. Muitos não são praticados em Portugal. Outros já não estão em uso em nenhum lugar do mundo. Foram muitos meses a decifrar rituais, imagens, esquemas simbólicos, catecismos de graus, manuscritos. Aos poucos apareciam os animais. O livro refere 32 diferentes, a que se acrescentam 3 ordens de seres sagrados, além de fazer um estudo acerca da evolução dos Altos Graus maçónicos e do uso de animais como artifício simbólico. Quando dei por mim, estavam escritas quase 300 páginas. Tivemos de usar um formato de livro maior, não apenas por causa das ilustrações, como pelo texto, conseguindo reduzir assim a 250 páginas. Durante os últimos anos trabalhei para uma empresa americana de videojogos e as longas viagens de avião sobre o Atlântico e na Europa foram uma constante. Uma porção significativa do livro foi escrita em aeroportos à espera do voo e no ar! A revisão final foi feita em tempo de retiro próximo de Tomar.  Ainda assim é o livro mais volumosos que escrevi até agora.

Quais são os animais mais conhecidos usados simbolicamente nos graus maçónicos?

O Rito Escocês Antigo e Aceite apresenta dois que quase todos leitores reconhecerão de imediato: o Pelicano e a Águia Bicéfala. São símbolos tão antigos e tão polissémicos que os encontramos em muitos outros contextos. O Pelicano, por exemplo, é o símbolo do Montepio Geral, instituição criada por maçons no século XIX. Já a Águia Bicéfala aparece como símbolo proeminente na Igreja Ortodoxa, sendo frequente vê-la coroando cúpulas na Rússia. O símbolo tem um significado arquetípico, que é o seu eixo simbólico. Depois tem um significado contextual, dependendo de como é usado relativamente a outros símbolos. Os ritos maçónicos tomam muitas vezes o significado arquetípico e depois expressam mensagens simbólicas própria nos diversos graus. Um exemplo é o Cordeiro, usado frequentemente. Em alguns casos, como no Rito Escocês Antigo e Aceite, aparece como o animal que repousa sobre o livro lacrado com os Sete Selos, tal como referido no Apocalipse. Noutros, como no caso do Rito Escocês Rectificado, aparece em glória, com o estandarte da Jerusalém Celeste. O Rito de Mamphis-Mizraim, de inspiração Egípcia, vai igualmente buscar vários animais, entre eles a Fénix, símbolo da imortalidade. Já referi o Leão, podia ainda referir a Abelha com o a sua colmeia e a Serpente, que encontramos muitas vezes na rica iconografia de aventais setecentistas, em quadros de Loja e outras fontes mais efémeras, como convocatórias aos trabalhos, circulares, diplomas, jóias distintivas, etc.

Sendo o simbolismo maçónico essencialmente geométrico, porque recorreram os maçons ao simbolismo animal?

O simbolismo geométrico e arquitectónico é a base de todo o simbolismo maçónico. Ele é usado para expressar as leis que governam o Universo e enquadrar o Homem na criação como um ser que participa de uma dada ordem das coisas. “Ordo ab Caos”, motto presente no Rito Escocês Antigo e Aceite, reafirma essa noção. Deste modo, a geometria, imutável e baseada em princípios verificáveis e constantes, dá um vislumbre sobre o Universo. Mas o processo iniciático, de aperfeiçoamento e melhoramento interior, tem como objecto o Homem. E ele é totalmente fluido e volátil. Está em permanente mudança, mimetizando-se em “pessoas” distintas ao longo da sua vida e enfrentando dentro de si versões rebeldes e desobedientes de si mesmo. Quem já tentou deixar de fumar sabe que é assim. Quem já se deu por si em situações – boas ou más – sem que percebesse como ali chegou, sabe que há camadas ou níveis de consciência de si mesmo e das decisões sobre si mesmo que variam com o tempo, o lugar e o contexto. Umas vezes esse “eu consciente” é suficientemente capaz de tomar decisões racionais. Outras vezes é obscurecido, num processo de eclipse, por um outro “eu”, menos racional, que tendencialmente toma decisões ligadas à herança animal que carregamos em virtude da evolução que levamos neste planeta. São decisões instintivas, que fazem um by-pass à racionalidade. E em geral são essas que nos conduzem a intermináveis problemas. Ora, desde há muitas gerações que essa natureza animal, inconsciente e maioritariamente instintiva, é simbolizada por animais. Todos sabemos que Ricardo Coração de Leão não era um cobarde. Todos sabemos que Cristo é “o Cordeiro de Deus”. Todos queremos que o nosso jogador de futebol favorito seja “uma fera”, mas sabemos bem que, quando as coisas correm mal, “os ratos são sempre os primeiros a abandonar o navio”. A tradição de usar os animais como metáforas e, em seu redor, construir alegorias sobre o comportamento humano, é longa e antiga e a Maçonaria foi beber a essa fonte tradicional.

Houve algum animal que o surpreendesse?

Sim. Eu sabia que o simbolismo da Serpente era muito versátil e muito usado em todo o tipo de contextos. Contudo não esperava encontrar tanto material simbólico à minha disposição. A imagem que transparece da maneira como a Serpente  foi usada simbolicamente surpreendeu-me. Bastará dizer que ela, ao mesmo tempo, é temida pelo veneno mortal e usada como símbolo da farmácia… Doença, morte e cura ao mesmo tempo. É o animal que acompanha os sábios e que é esmagado como o mal absoluto pelos santos. Essa contradição aparente é muito interessante. Surpreendeu-me também o uso da Borboleta no 5º grau do Rito Escocês Antigo e Aceite. É associada ao sopro vital que é exalado pelo Mestre Hiram ao morrer. A imagem é muito poética e em algumas jurisdições – em Portugal este grau é comunicado e não praticado – é cantado um Hino Fúnebre muito inspirador, que publico no livro.

 

O que pode o leitor aprender com este Bestiário?

O leitor em geral pode perceber como e porquê os animais foram usados como símbolo desde tempos imemoriais para transmitir alegorias sobre o comportamento humano inconsciente. Todos os que se interessam por simbolismo, em qualquer vertente, têm aqui muito que explorar. Quem se interessa pela condição humana e pelos seus desafios civilizacionais, culturais, religiosos ou espirituais, poderá enquadrar muitos deles pelo modo como os animais foram usados para os melhor definir. A superação de cada indivíduo, a busca da consciência universal, o domínio de si mesmo, a ligação à natureza cada vez mais afastada e perdida, a responsabilidade da espécie humana no contexto de todas as outras espécies como um cuidador, entre outros temas, encontram no Bestiário Maçónico amplo material de estudo. Para o leitor que, além de se interessar por simbolismo, seja maçon, o livro é um guia acerca de uma categoria simbólica particularmente ignorada e, embora presente nos rituais e profundamente importante para a compreensão da Ordem, raramente abordada no seu todo. Nem tudo são compassos e esquadros!…

capatipo_9a

“Bestiário Maçónico”, por Luis C. Matos

Edições Nihil Obstat

Preço: 24,50€  19,95 € (até 30 de Novembro 2015)

Mais informações e encomenda de exemplares: Emial para ihshi@mail.com