Ordem de São Miguel da Ala – Maio em Belmonte

sladtsdda_01

Há uns quantos anos o Nuno da Câmara Pereira convidou-me a dar-lhe uma ajuda na Ordem de São Miguel da Ala, de que era Comendador-Mor, porque havia que reabilitar o Colégio do Menino Jesus em Carnide, uma instituição de solidariedade social apadrinhada pela Ordem há muitas décadas, que tinha caído no descrédito junto às autoridades de tutela, estando em vias de fechar, sem alunos, sem dinheiro e com funcionários com salários em atraso.

Maus anos de gestão, más decisões, pouca atenção ao propósito real (Real diria..) de uma Ordem com as características da Ala, muita mágoa, levavam então o Nuno a retomar com muita paixão a liderança da Ordem depois de se ter afastado na maré de uma carreira musical intensa. O seu regresso era crucial, contando com a totalidade dos fundadores originais da Ordem ainda vivos, da qual tinha sido um ele mesmo, ainda um jovem desconhecido do mundo do espectáculo, no dia longínquo em que assinara a escritura, entre pares, entre augustos valentes com um propósito.

Associei-me com gosto. Relembro a cerimónia na Igreja de São Miguel, junto ao Castelo em Lisboa. Como poderia esquecer? Seguiram-se meses de luta pelo legado, em perigo, colégio, ASA e tudo. De um momento para o outro os sinais da Ordem caíam na rua, apareciam como adesivos colados em faiança, disfarçados de verdadeiros não eram reais, como num jogo de espelhos havia Alas de São Miguel desde Sagres até Bragança… Havia que por ordem (diria “por Ordem”) na fancaria como se punha já no colégio. Em pouco tempo o colégio já não precisava de fechar. Devido às muitas horas de dedicação de muitos, deu-se a reviravolta. Limparam-se contas, motivou-se a equipa, enfrentaram-se os problemas, criaram-se soluções, planeou-se e executou-se com as crianças e as famílias em mente. Hoje o resultado é pouco menos que prodigioso. Abrem-se as portas sem vergonha.

 

Em paralelo apareceram algumas polémicas. A Ordem, relutantemente, viu-se forçada a recorrer à justiça. É que, enquanto no colégio se reparava o estrago com trabalho e suor, foi necessário fazer prevalecer a verdade acima da ambição e da fantasia com recurso a instâncias oficias. Desde muito cedo que a media apanhou o fio do que viria a ser um longo processo. Instância sobre instância, em serena cadência que caracteriza os que confiam na indiscutível vitória da verdade, a Ordem foi vendo a sua identidade reforçada e o seu direito defendido por sentenças sistemáticas a seu favor. A atribuição de indemnizações e a execução de penhoras a quem havia ultrapassado as fronteiras da lei só se deu em consequência de uma teimosia mal informada e da noção incorrecta de que a lei poderia, de algum modo, proteger uns em face de outros pelo simples facto de serem qualquer outra coisa que não homens comuns e todos por igual sujeitos à mesma lei. É meu desejo que o futuro seja de paz e com menos títulos de jornal, agora que tudo é bem claro.

O saldo que faço destes anos de trabalho com os meus confrades é positivo. Vale a pena acreditar quando se tem a lucidez e a razão, quando a elas se adiciona a Fé e se labora na obra humana, colectiva e disciplinada de uma Ordem. Muitos há que preferem ser o resultado do passado a ser a causa do futuro. Por isso vamos ao futuro que se faz tarde.

BELMONTE

Escrevo sobre a Ordem de São Miguel da Ala porque, em todos estes anos em que aqui vou publicando, poucas vezes lhe fiz referência.

Ora, dá-se o caso de que no passado dia 7 de Maio tive o prazer de ver dois distintos amigos brasileiros serem armados Cavaleiro e Dama de Ordem numa cerimónia em Belmonte. Tratou-se de Alexandre e Chaia Figueiredo, advogados do Rio de Janeiro, residentes no nosso país desde o ano passado.

sladtsdda_11

Porquê o dia 7 de Maio?

A Ordem de São Miguel tem uma fundação mítica justificada pela lenda da conquista de Santarém. Naquela tarde de Março de 1147 conta-se que as nuvens ao sol poente desenhavam uma grande asa colorida nos céus, de ocidente para oriente. Este efeito, como um mau agoiro, atemorizou a guarnição moura que defendia a fortaleza da cidade que, em vão, vigiava as planícies infindas às sua frente a sul. Não seria dessa direcção que a sua segurança seria ameaçada.

Já noite escura pouco mais de duas dezenas de soldados liderados por Afonso Henriques, chegados pelo norte, dominaram os vigias e sentinelas, entrando no castelo e surpreendendo a guarda. Santarém caiu definitivamente em mãos cristãs. A Asa no céu não foi esquecida. Corria a voz que, durante as escaramuças, havia quem tivesse visto a mão de Afonso Henriques coberta por uma mão luminosa e alada, que, dizia-se, só podia ser do Arcanjo seu protector. A lenda termina com o agradecimento de Dom Afonso, decidindo conferir a alguns dos seus mais privados a Ordem de São Miguel da Ala no São Miguel de Maio, a dia 8.

sladtsdda_05

A história não tem documentos que possam suportar a lenda. Sabe-se no entanto que a Ordem teve a sua presença, ainda que diminuta – e talvez por isso, constituída por particular escol – na história, sendo ocasionalmente referenciada como tributária da Ordem de Cister. Já no século XIX D. Miguel terá constituído um grupo nela inspirado, com características quasi maçónicas e imbuída de total secretismo, cujos objectivos puramente políticos a afastam da tradição mais antiga. Essa tradição antiga é a que São Miguel da Ala de hoje retoma.

Porquê Belmonte?

Belmonte está indissocialvelmente ligada à família dos Cabrais. Pedro Álvares Cabral foi o achador do Brasil. Tal como muitos dos Almirantes da época das Descobertas, a sua origem não era próxima do mar. São exemplos Pêro da Covilhã, Antão Gonçalves (Oliveira do Hospital), Diogo Cão (Monção), Afonso de Paiva (Castelo Branco), Bartolomeu Dias (Mirandela), Nicolau Coelho (Vale do Sousa), etc. A ligação de Belmonte a Cabral e do legado desta família a São Miguel da Ala é mais do que simplesmente simbólica. Bastará recordar o papel que o Brasil representa em toda a nossa história, até aos dias de hoje. De como a língua e a cultura de ambas as nações as irmanam. Basta consultar a obra e biografia de Vieira, Anchieta, Pessoa ou Agostinho da Silva para sublinhar a origem e destino comum do Portugal e Brasil. Belmonte é, assim, um lugar que simboliza de modo muito visível a unidade espiritual que entrelaça os dois lados do Atlântico.

sladtsdda_03

Acresce que o Comendador-Mor da Ordem, o Nuno, se chama de facto Nuno Cabral da Câmara Pereira e que esse Cabral lhe chega por via directa, como descendente do pretérito Pedro. Isso mesmo teve oportunidade de sublinhar, com bastante mais detalhe que aqui não cabe, durante a cerimónia oficial de abertura do dia de São Miguel em Belmonte.

Finalmente, a Ordem e Belmonte reforçam a sua estreita relação com a celebração de um acordo histórico que se resume em poucas palavras: por iniciativa conjunta, a sede oficial da Ordem será o Castelo de Belmonte, atribuição confirmada e anunciada pelo Presidente do Município, António Rocha, entusiástico anfitrião das celebrações. A ele se deve a vontade expressa por muitos dos visitantes em regressar para melhor desfrutar da paisagem, património e gastronomia da região, que superou as expectativas dos que não a conheciam. E eram muitos.

sladtsdda_02

Para estas cerimónias fizeram-se presentes Irmãos de várias Ordens de Cavalaria, destacando-se o Duque de Maqueda, Grande de Espanha, com uma numerosa delegação, bem como muitos Irmãos de França, Espanha, Itália e Brasil. A festa incluiu a visita ao magnífico Museu (interactivo) das Descobertas, ao Castelo de Belmonte, ao Cellium, bem como um desfile da Cavalaria pelas ruas principais em direcção à igreja onde, de portas abertas à população, teve lugar a cerimónia de armação de novos Cavaleiros e Damas e a tradicional missa. Nem a chuva persistente e os ventos fortes detiveram os Cavaleiros. Dizia um visitante: “chuva civil não molha militares”! E lá foram ao castelo!

As poucas fotos que pude tirar não ilustram com justiça os procedimentos do dia. Tentarei por isso complementá-las com um curto texto.

sladtsdda_06

A CERIMÓNIA

A cerimónia começou com o desfile de Cavaleiros e Damas pelas ruas de Belmonte precedidos pela banda filarmónica, em marcha firme, terminando no adro da igreja, lugar onde se dá a entrada ordenada e em modo militar na igreja. Os dignitários ocupam os seus lugares. SAR Dom Pedro de Loulé preside, sentado à esquerda. Junto ao altar está o Capelão, Padre Delmar e dois sacerdotes espanhóis que acompanham os visitantes. Os Oficiais da ordem estão nas primeiras filas, dirigidos pelo Comendador-Mor e Marquês de Castelo Rodrigo, Nuno da Câmara Pereira. Atrás, em várias linhas de assentos, todos os Irmãos e Irmãs nos seus mantos brancos. Ainda mais atrás o grupo de postulantes que serão armados de seguida. A igreja está cheia, mas ainda tem espaço para um conjunto muito grande de habitantes de Belmonte, que seguem cada momento da cerimónia com grande interesse, muitos de telemóvel na mão a fotografar.

O Reverendo Cavaleiro Pinto Coelho aproxima-se do ambão e inicia a Exortação à Cavalaria. Explica em palavras certeiras, numa voz de comando pausada e bem colocada, o que é a Cavalaria e o que se espera de cada um dos postulantes uma vez assumidos os compromissos de São Miguel. Recorda-se a nossa história, fala-se do fundador mítico, Afonso Henriques e dos feitos de Santarém. Sublinha-se o serviço e a causa.

O Kyrie e o Gloria in Excelsis são cantados por uma intérprete de assinaláveis dotes vocais, acompanhada ao piano e violino.

sladtsdda_07

Os postulantes aproximam-se do altar. A espada é benzida e preparada para a sua função sacra. Ajoelham-se postulantes um a um diante da dupla autoridade representada pelo Comendador-Mor (em nome do Ordem) e do Capelão-Mor (a Igreja). Em posição de súplica ouvem as palavras de ambos. A espada, pesada, reluzente, ergue-se ao céu imponente. É o momento. O postulante baixa a cabeça e o Comendador-Mor consagra o Cavaleiro. O Capelão-Mor, pela bênção, sela o laço fechado. Ajoelhou-se postulante, mas levanta-se Cavaleiro, inteiro, vertical, coberto pelo manto alvo e puro, uniforme entre todos os companheiros da Cavalaria, capa de protecção e sinal de confraternidade.

sladtsdda_08

Segue-se a celebração da missa. A igreja, até ali cheia de olhares curiosos, diferenciada entre os Cavaleiros e os crentes que os observam, transforma-se. Com o Capelão-Mor, concelebrando com os outros sacerdotes, a igreja converte-se na sala de visitas de Deus. Passa a ser um lugar onde todos celebram em festa a Fé que lhes é comum. Já não há distinções. Todos são parte da mesma comunidade que deseja celebrar a Eucaristia.

A Ordem de São Miguel da Ala tem sentido a Asa protectora em muitos momentos. Mas é nas inspiradas homilias do Padre Delmar, na sua oratória que ordena palavras e imagens vivas sem esforço, que toda a cintilante luz do Arcanjo se vai espargindo pelos presentes. Desta vez quis-nos deliciar com uma breve exposição sobre a Palavra como Espada, recordando São Paulo. Sem esforço, foi acompanhado por uma atenta audiência, cativa de cada uma das suas palavras. Como uma delícia breve e que pede por mais, o momento pareceu rápido. Passou à liturgia eucarística e à comunhão.

sladtsdda_09

A cerimónia terminou de forma emotiva com uma oração à Virgem Mãe pelo Nuno, num registo diferente daquele que se lhe conhece do fado, a capella, que fez ressoar cada pedra viva daquela igreja.

Seguiu-se a ceia de gala, degustação muito apreciada das especialidades da região. Num ápice era hora de regressar a casa. Ficou o agradecimento ao novo amigo António Rocha, Presidente da Câmara, a SAR Dom Pedro de Loulé, que nos agraciou com a sua imprescindível presença, ao Capelão-Mor Padre Delmar que é sempre um exemplo excelso e inspirador, a todos os Cavaleiros e Damas da Ordem que trabalharam de forma árdua para que tudo corresse de maneira digna e no cumprimento e estrita observância da Tradição e sobretudo ao Comendador-Mor, Nuno da Câmara Pereira que, em tão inspirada hora, há tantos anos, me convidou a partilhar da sua árdua tarefa e como, com o seu entusiasmo, o seu alento e a sua liderança, leves se fizeram os fardos que aqui nos trouxeram. Obrigado Nuno.

sladtsdda_10

Fica para último a referência a três amigos que saíram de Lisboa como Postulantes e voltara como confrades. Alexandre e Chaia, que escolheram o meu país para morar, tomem esta cerimónia como um sinal das boas-vindas. Ao Fernando Coelho, providencial ajuda para que se proporcionasse a minha presença em Belmonte, um grande abraço de instantânea amizade. Fomos desconhecidos um do outro. Voltámos Irmãos. É isto a Cavalaria, não é Fernando?

I Shot The Sheriff

sic

O vídeo é indescritível e por isso impossível de recomendar com um link. No entanto mais de 1 milhão de pessoas ao redor do mundo o viram. A partilha do terror não conta com a minha conivência. A comodificação das emoções não me agrada. Por isso não recomendo o vídeo de horror. Cito-o porque é tempo de falar dessa comodificação, fenómeno novo que a internet exponencía.

Voltando ao vídeo. Sinaloa, México, um grupo de polícias regressa ao carro e fecha as portas deixando o local a alta velocidade. O local é o de um desacato, onde um grupo de homens arrasta um outro pelo chão. A polícia já lá não está. Esteve. Viu. Retirou-se. O homem é arrastado para trás de um carro, entre os gritos de uma mulher e empurrões. A testemunha com o telemóvel é um familiar, desesperado. Escondido da vista, o grupo agride e depois, com um tiro, mata o homem que implora no chão. A polícia já está longe. Soube-se depois que o vídeo retrata o grupo de El Chapo a executar um membro dos rivais Los Zetas, em 2011. Só agora foi divulgado por uma organização clandestina e secreta de jornalistas, os Reporteros Asociados de Sinaloa. A polícia investigou agora e, perante a exposição viral do vídeo, não pode ignorar o que ignorou há 5 anos. Em menos de uma semana a investigação concluiu que foram os polícias que identificaram a vítima na rua e chamaram os assassinos, abandonado então o local. Seis deles estão presos, acusados de homicídio e conivência. Um deles é o xerife.

Mas por que motivo este vídeo se destaca de tantos outros que correm a net com semelhantes actos, especialmente num país como o México, onde a guerra de cartéis de droga já provocou mais de 150.000 mortos? Por que motivo deu já origem a movimentos de indignação, partilhas nas redes sociais, protestos nas ruas e uma investigação rápida e certeira das autoridades? Porquê esta vítima entre 150.000?

A resposta é simples. O efeito viral fez com que ele chegasse a nós através de múltiplos canais, fazendo com que não o pudéssemos ignorar. Impôs-se. Desviamos o olhar, mas ele lá estava, no Twitter, no Facebook, no Jornal das 9. Como o Charlie Hebdo, os atentados de Paris, a foto de Alan Kurdi, o rapaz Sírio que morreu nas praias da Europa grega. O choque. O terror. Não deixando desviar o olhar.

Ora, há muito que sabemos que a media (incluindo a social, como o Facebook e o Twitter) vive de alimentar as emoções dos destinatários da mensagem. Todas as emoções, boas e más. O carinho pelos gatinhos, tal como o horror pelas decapitações do DAESH. Quando os criadores da mensagem são igualmente os destinatários e não há um editor intermediário (como num órgão de informação tradicional), o editor passa a ser cada um de nós, sem filtros. E por isso, o medo de um repercute-se e espalha-se como um virus (por isso de maneira viral), alimentando-se do medo de outros. O horror de um faz ricochete na indignação de outros. Cresce a onda viral, que contamina tudo, à medida que partilhamos e lhe damos força, à medida que contaminamos os que estão na nossa lista de amigos. Todas as semanas há uma imagem de horror. Todas as semanas há um vídeo, uma foto, um cadáver, um motivo de alarme, uma imagem do medo, um gatilho para a indignação.

Há hoje mais violência no mundo?

Reformulando a pergunta: matar à queima roupa um membro de um clã rival de criminosos é coisa nova? Decapitar vítimas de sequestro com uma cimitarra afiada é invenção recente? Lançar o caos e a morte numa capital europeia é acto nunca antes visto na história deste pacífico e calmo continente? Ver as autoridades serem coniventes com assassinos nunca aconteceu antes? É coisa rara? Inaudita? Que crianças morram em travessias criminosas, em embarcações impróprias, num perverso acto de tráfico humano é facto ignorado até há poucos meses? A corrupção de políticos, as fraquezas de carácter de muitas figuras públicas, os impostos por pagar e as contas nas Ilhas Caimão são coisa de hoje? Apareceram hoje? Há mais hoje do que antes?

Não.

O que acontece hoje, é que todas estar coisas e muitas mais, que nos induzem um sentido de injustiça, desordem, medo e terror (que alimentam as nossas emoções mais instintivas de sobrevivência pela anulação do outro, herança de um cérebro animal), tudo isso aparece no nosso feed. Em tempos aparecia da televisão, mas dessa nós desligávamos e mudávamos de canal. O nosso feed não. É o “alimento” que nos alimenta.

Ora, para o feed – output da media que o gera – o conteúdo é uma commodity. Uma simples mercadoria. Que nós geramos de livre vontade e a preço zero.

As emoções que adicionamos ao conteúdo que criamos têm um valor para nós. Não para a media. Geramos o conteúdo gratuitamente porque investimos emocionalmente nele. Sentimos o seu valor. Partilhamos o que nos “diz” alguma coisa e está de acordo com o que sentimos. É este investimento emocional que dá valor às commodities “medo”, “terror” e “indignação”. Comodificamos assim as emoções. Este é um fenómeno novo.

É um fenómeno novo porque nunca antes as nossas emoções tiveram um meio de alimentarem as emoções em massa de maneira tão automática e inconsciente, de modo instantâneo, ao serviço de um media que as distribui em massa.

Devemos saber, contudo, que há regras gerais que se verificam no valor das commodities. Quanto mais escassas (como o ouro, ou a platina, ou o trigo fora de estação), mais valiosas são. Quanto mais vulgares e abundantes, mais o seu valor deprecia.

Comodificar as emoções e particularmente as que são suscitadas por imagens de horror ou medo, como o crime em todo o seu detalhe, ou a miséria humana e o desespero, levará inevitavelmente à indiferença e ao adormecimento do sentimento. A partilha instintiva do “boneco” do terror é, para todos os efeitos práticos e deontológicos, a colaboração involuntária no objectivo do perpetrador do acto. A utilização até à exaustão de imagens de sangue, lágrimas, violência, injustiça, insegurança ou medo é o caminho certo para que a sua eficácia (ou seja, o valor da commodity) se reduza a nada com o passar do tempo. Por este motivo, é um acto insensato.

Insensato porquê? Porque o medo, o horror e a sensação de injustiça são os geradores da indignação, mecanismo que pode produzir a mudança. São fundamentais à dinâmico social. Ao depreciar cada uma dessas emoções, tornamo-nos, como sociedade, cada vez mais adormecidos, menos capazes de intervir e mudar. Tudo parece normal. Aceitável. Tornamo-nos manipuláveis. Ficamos vulneráveis. Aos poucos, os maiores actos de barbárie parecerão coisas normais e correntes, próprias do tempo e da natureza humana. Quando assumimos que “todos os políticos são corruptos” deixamos de ir votar e damos um golpe na democracia. Quando achamos que “todos os Muçulmanos são terroristas”, deixamos de ver o outro como ele é e passamos a vê-lo como o medo o pinta. Quando somos todos “Charlie”, ninguém é Charlie.

Por isso, da próxima vez que uma foto ou um vídeo lhe cause horror, lhe mostre a violência em close-up em carne viva, ou desumanize o outro e o torne em objecto abjecto, pense duas vezes antes de o partilhar. Pense duas vezes antes de se tornar viral. Não deixe que o feed o alimente de veneno.

A prova pode tirá-la agora: clicou na imagem com que inicia o post na esperança de ver o vídeo?

Desejo que não. Mas se o fez, já viu que não há link.

Agora a prova final: consegue não ir procurar o vídeo para o ver?

Pois eu desejo que sim…

Curso de Alquimia – Estudos, Princípios e Problemas

10370989_447644382099577_1087508550754150199_n

Curso: Alquimia I – Estudos, Princípios e Problemas
Por Luis de Matos

Ao longo de 5 aulas, uma introdução aprofundada e clara à Ciência Hermética, matéria fundamental a qualquer estudante interessado nas Ciências Tradicionais.

PROGRAMA
Aula #1: A Alquimia, definição, as suas diversas vertentes, origem e vias, de acordo com o sujeito da Grande Obra. Princípios, elementos, energia, matéria. Ars Magna.

Aula #2: Concepção Unificada do Universo Manifestado, Fiat Lux, materialização, reintegração, Solve et Coagula.

Aula #3: História e Obra, Paracelso, Nicolas Flamel, Basile Valentin, entre outros. Alquimia no século XX: Fulcanelli, FA R+C, Solazaref e outras escolas.

Aula #4: Iconografia Alquímica

Aula #5: Ora et Labora, o laboratório, Alquimia laboratorial prática

Lugares Limitados
Informações e Inscrições:
ihshi@mail.com
geral@towards-the-rainbow.pt

Preços:
50 € todo o Curso presencial
40 € todo o Curso em aula Online simultânea
15 € aula avulsa presencial
15 € aula avulsa online

LOCAL
Towards The Rainbow
R. João da Silva, 14A
Areeiro 1900-271
LISBOA
geral@towards-the-rainbow.pt
5 Aulas – 4ªs feiras, das 21h às 23h
13, 20 e 27 Jan., 3, 10 Fev.

Novo Curso Arcana Templi

ArcTbanner01

Inscrições: ihshi@mail.com

O Instituto Gualdim Pais, em colaboração com o IHS-HI e com a Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolimitani Universalis (OSMTHU) vai promover mais uma edição do Curso de Instrução do Templo e da Cavalaria Espiritual, a ter lugar no dia 12 de Julho de 2015 em Sintra.

Excepcionalmente o Curso terá a duração de 8h (uma manhã e uma tarde), estando abertas as inscrições para cada uma das datas.

O Curso é composto pela Instrução Preliminar que é dada a todos os que ingressam na Ordem do Templo (OSMTHU), a qual aborda múltiplos temas relacionados com a histórica Ordem do Templo, bem como com a Cavalaria Espiritual como Via Iniciática, explorando a sua expressão Cristã reconhecida nos Templários, assim como na Ordem de Cristo, entre outras, bem como a sua história e sobrevivências até aos dias de hoje em múltiplos ramos.

O Curso faz ainda uma introdução ao que é a Instrução de Cavalaria, explanando os seus valores teológicos e iniciáticos, recorrendo a textos canónicos e documentos das diversas épocas.

Está sujeito a inscrição e todos os que o completarem são reconhecidos pela Ordem como aptos a propor-se para instrução mais adiantada e filiação na Festa de São Miguel, em Setembro de 2015.

Desde 2009 que não é possível filiar-se a este ramo da Ordem sem completar o Curso de Instrução preliminar, o qual é dado em ambiente restrito.

Após o Curso, a Ordem irá fechar de novo as suas portas até oportunidade futura que se venha a justificar.

Sobre o Ramo OSMTHU da Ordem do Templo

A Ordem Soberana e Militar do Templo de Jerusalém Universal é descendente da Ordem retomada por Fabré Palaprat em 1804, o qual trabalhou sob as Ordens de Napoleão, com o Chanceler da Ordem (e do Império), Cambaceres. Parlaprat foi igualmente Patriarca da Igreja Joanita, após ter sido ordenado Bispo na sucessão apostólica pelo Bispo Machaud. Ao longo do século XIX e século XX a Ordem teve uma história conturbada, essencialmente centrada em França e na Suiça. Após a morte de Parlaprat em 1838 a Ordem é dirigida por um Conselho de Regência. Em 1934 é eleito Regente Emile Vandenberg. Nessa época a Europa viva tempos difíceis e com o início da Segunda Guerra, os arquivos da Ordem foram colocados sob a guarda de um diplomata destacado na Bélgica. Quando a guerra acabou o Regente Vandenberg viu-se envolvido num acidente fatal e a continuidade da regência da Ordem foi assumida sem eleição pelo diplomata que havia guardado os arquivos anos antes. Os diversos Priorados tiveram reacções distintas a esta atitude não protocolar e, desde essa época vários se declararam autónomos da nova regência auto-proclamada. De 1945 em diante nasceu um ramo da OSMTH que não reconheceu durante décadas nenhuma autoridade a não ser as autoridades nacionais devidamente eleitas e cuja proveniência de Cavalaria pudesse ser verificada. Já na década de 80 constituiu-se uma Federação Internacional com o objectivo de preparar a eleição livre e universal de um Grão Mestre internacional. Este facto deu-se em 1999, tendo o espanhol Fernando de Toro-Garland sido eleito em sufrágio verificado por auditores externos à Ordem e proclamado em Santiago de Compostela. Pelo seu carácter internacional, o Conselho Magistral, órgão executivo internacional, decidiu acrescentar “Universalis” à designação da Ordem de modo a distinguir melhor dos outros ramos. Seguiu-se o Grão Mestre Antonio Paris, de Itália, para o período 2004-2009, que entretanto se retirou por motivos de saúde. Desde essa data o Conselho Magistral, liderado por Portugal, tem feito a gestão operacional e de instrução da Ordem sempre dentro de portas, de modo discreto e recatado que os tempos recomendam.

A OSMTHU não reclama ser descendente directa dos Templários históricos. Contudo reclama ter uma transmissão de Cavalaria Espiritual autêntica, aliada a uma expressão reservada da Ordenação Apostólica sob a autoridade espiritual de um Patriarca. Estes factos, em conjunto, bem como a sua história e tradição, colocam-na como uma real Ordem de Cavalaria Iniciática que se inspira nos valores e na história singular da Ordem do Templo para instruir e guiar os seus membros nos dias de hoje.

A Ordem procura não ter uma acção visível que possa ser confundida com expressões apócrifas dos Templários históricos, tão correntes nos dias de hoje. Tão pouco procura protagonizar uma restauração da Ordem original ou reclamar da Igreja de Roma qualquer tipo de perdão ou restauração anacrónica. Deste modo refugia a sua acção num pomo interior e só episodicamente aparece em público. Mudando-se os tempos poderão mudar-se os métodos.

Mais informações em Templar Globe: templars.wordpress.com

ou

templarsosmthu.wordpress.com

O Curso

O Curso terá lugar no dia 12 de Julho. Inicia-se pelas 10h e termina pelas 19h, com uma pausa de 1h30 para almoço livre. Será ministrado nas instalações do Instituto IHS em Sintra e, além da matéria própria do tema, terá uma sessão de perguntas e respostas e esclarecimento de dúvidas.

As inscrições são RIGOROSAMENTE LIMITADAS.

PREÇO

25 € para inscrições individuais

40 € para casais

Os membros da Ordem, sócios do Instituto Hermético, alunos do Curso “Templários e Templarismos” da Universidade Lusófona, bem como todos os que já fizeram o Curso em datas anteriores e desejam repeti-lo, terão uma redução no preço. Assim, o custo nestes casos será de 10 € para inscrições individuais e 15 € para casais.

Casos Especiais

Tendo em conta a situação económica actual, o Instituto e a OSMTHU decidiram disponibilizar uma inscrição a preço especial para Estudantes, desempregados e maiores de 65 anos. Se é o seu caso, refira esse facto no seu contacto.

Inscrições

As inscrições podem ser feitas para o email ihshi@mail.com, dando o nome, um email de contacto e a categoria de sócio ou não-sócio, inscrição individual ou casal. As inscrições serão tratadas por ordem de chegada.

Não esquecer: ihshi@mail.com

Quem com galinhas se mete, farelos come

9ZpxhfOJkLA6L0pvJO9BPflN6idjaryq

Ou melhor “Οποιος μπλέκεται με τα πίτουρα τον τρων οι κότες.”, em Português “Quem com galinhas se mete, farelos come”, um excelente provérbio Grego que não deve ter tradução em Alemão.

O que os provérbios têm de interessante é que reflectem a experiência popular, realçando truísmos (e algumas verdades muito evidentes) que se verificaram vezes e vezes sem conta no passado e a sabedoria popular aposta que virão a verificar-se no futuro. É bem verdade que cuidado e caldo de galinha nunca fizeram mal a ninguém e que grão a grão a galinha enche o papo, isto para manter o tema aviário. A Grécia tem muito a ensinar até nos provérbios, apesar de teimarmos em depreciar o que dali vem. O nosso Sócrates não se compara ao deles. A nossa Democracia não faz escola. Às fábulas de Esopo respondemos com as fábulas de Pedro Passos Coelho. Uma tristeza.

Vem o “comer farelos” a propósito do tema do momento, que ameaça ser o tema da década: vai a Grécia falhar o pagamento aos seus credores e, em consequência disso, sair do Euro? Já tantas asneiras se disseram sobre este tema que me sinto no direito de dizer o meu lote de asneiras sem pudor. Aqui vai.

Este episódio assemelha-se muito àquela situação em que os amigos vão todos jantar fora e, depois do opíparo jantar e da boa disposição, já estão todos a contar anedotas e a por a cinza dos cigarros nas chávenas de café vazias, com o dono do restaurante a apagar e a acender as luzes discretamente a ver se põe o grupo a andar dali para fora, quando alguém finalmente pede a conta. A conta vem, o tipo do costume divide pelas cabeças presentes e o valor anunciado deixa todos perplexos. Alguém pede o talão, tira o telemóvel e volta a calcular tudo de novo. Mas não há engano! É mesmo muito por cabeça… Afinal, todos se divertiram, todos acabaram por fazer bons negócios com os parceiros do lado, planear novos encontros, deram e receberam palmadinhas nas costas. É aqui que se verifica que ninguém reclamou os cascos de sapateira que foram postos na mesa logo no início. Agora estavam comidos. Ninguém se apercebeu que o amigo francês tinha pedido uma garrafa de vinho mais cara. Agora estava bebida. O problema é que há sempre um tipo que estraga tudo e diz que não tocou na sapateira, só bebeu água do Luso e o bife dele até nem tinha ovo. “Eu não comi manteigas nem tirei do presunto!”, diz com ar reprovador. Esse tipo, chato como o caraças, pede para pagar só a parte dele. Quer contas separadas! Como se não tivesse feito negócio como os outros, como se não fosse fornecedor de sapateiras suspeitamente iguais aquelas (em que nem tocou), como se não tivesse estado no jantar. Como se só tivesse comido o seu quinhãozinho em silêncio e nada mais, sem apreciar a companhia. Um chato. Agora é preciso ir, item por item, ver quem comeu o quê para que ele se cale. Esse gajo é a Alemanha. E logo se verifica que também há sempre o tipo que pediu 3 whiskies no final, sabendo que era a dividir por todos. Para pesadelo de toda a gente, esse tipo é a Grécia.

É nisto que estamos. O cartão Visa da Grécia não passa… O dinheiro que tem no bolso não chega. “Pensasse nisso antes!” diz o indignado da Alemanha. “Paga e não bufa! Eu não racho a conta.” E assim os amigos se chateiam uns com os outros.

A alegoria roça a tragédia (Grega) porque estamos todos à mesa. E enquanto Passos Coelho, em nosso nome, diz que não seremos afectados se a Grécia sair e não voltar a ser convidada para outros jantares, a verdade é que sabemos todos que, saindo a Grécia do nosso clube, o clube está a chegar ao fim. E porquê? Ui, isso é o que o nosso amigo Alemão não percebe.

Cá vão algumas razões. O que o Clube tem para vender é um bem escasso: a estabilidade, que se traduz num substantivo que favorece o progresso: a confiança. Ganhamos todos por ter uma moeda estável e confiável e por vendermos e comprarmos a maior parte dos nossos produtos no mercado proporcionado por essa moeda. A saída da Grécia mina a estabilidade e retira a confiança. Ataca, por isso, o valor da própria União, que terá dificuldade em continuar a vender castelos nas nuvens sem o benefício tangível para os membros do Clube. Para todos os membros do Clube. É que quando vendemos “confiança”, ficamos mal na fotografia se obrigamos um dos nossos a sair quando ele atravessa dificuldades. Deprecia o nosso produto.

O Euro é a consequência inevitável da Comunidade Europeia. É intrínseco à Comunidade. Não podem haver fronteiras abertas, sem barreiras humanas e alfandegárias, se não houver uma convergência monetária que, no limite, é uma moeda única, mesmo que as designações nacionais aparentem diferença. A Inglaterra faz o que quer com a Libra? Tomara a Inglaterra… Não, não faz. Numa situação em que a circulação de bens, serviços e pessoas é livre a possibilidade de manipular a moeda para lá de variações marginais é uma arma de guerra económica que pode minar a comunidade em si. Imaginemos a Grécia, com o Dracma, membro da Comunidade, a desvalorizar a moeda sem freio, sem convergência, mas sem limites à circulação dos seus bens e serviços agora extraordinariamente baratos (baratos como na Índia, no Bangladesh ou na China ou até mais), mas não localizada na Ásia. Aqui mesmo. Não à porta. Dentro. Dentro de portas. Cá. Um dos nossos. Não há Comunidade Europeia sem convergência monetária. Isto tem sido tão claro para a Alemanha que os esforços mais incríveis têm sido feitos para impedir a saída da Grécia do sistema. Pudesse a Alemanha mandar a Grécia embora e já o tinha feito há muito. Essa é a força da Grécia. Se a conta não for rachada por todos (ou seja, se não houver uma Comunidade Europeia, e mesmo uma União Europeia como ironicamente se chama a esta mesa desavinda), a Grécia sai sem pagar a conta e “Quem com galinhas se mete farelos come”. Comeremos todos farelos se deixarmos que a Grécia seja a nossa galinha.

Mas a saída da Grécia do sistema monetário não lança os gregos na miséria. Lança os gregos na miséria por comparação. Pois é. O que nos choca é que a Grécia possa vir a viver o que se vive diariamente na Nigéria, na Somália, no Bangladesh. Há muitos países onde a situação é muito pior do que a grega. Só que não estão à nossa porta. Nem os seus cidadãos são membros da direito da Comunidade Europeia. É que a saída do Euro não equivale à saída da Comunidade. A Grécia continua a poder exportar, comprar e vender. Mas poderá fazê-lo sem estar constrangida pela camisa de forças do Euro. A camisa de forças faz falta para que não aconteça o que vai acontecer quando a Grécia se vir livre dela! Há uma razão forte para que tenhamos todos aceite a camisa de forças, até os que não têm o Euro. E o pior é que vamos todos descobri-lo da pior maneira…

A Grécia pode ser o porta-aviões da economia barata a lançar petardos na “união” europeia. Pode tornar-se numa feira ladra dentro do Centro Comercial da moda. Pode ser o Cavalo de Tróia que nenhum anti-virus consiga deter.

Além disso, atirar milhões de gregos para a pobreza tem o condão de, com apenas um passe de ilusionismo, criar dentro de fronteiras milhões e milhões de cidadãos Europeus com carências enormes, que podem circular livremente e para quem um trabalho precário e mal pago noutro estado da União será muito bem vindo. E estes que jogarmos na pobreza, nem precisam de atravessar o Mediterrâneo para chegar à Europa… Já cá estão. E não haverá quem os possa deter. Para quê importar pessoas a quem tiraram toda a dignidade humana se as podemos criar na Europa, não é?

O sonho da Europa Unida acaba aqui. E pode ser ainda mais dramático. É que é possível imaginar um cenário em que a Grécia não se desintegra em pedacinhos como a Estrela da Morte do Star Wars no dia em que sair do Euro. Pode continuar a existir, para desespero dos que a querem fora da mesa. A sangrar, mas presente. Pode ser que o Pártenon não caia nem os alicerces do Olimpo tremam. Pode até ser que, saindo do Euro, o colapso interno humano e político seja demolidor mas, como acontece com todos as tragédias (e já as vimos de magnitude muito maior), a Grécia atinja um dado dia o “fundo do poço”. O dia seguinte a esse dia é o primeiro dia em que a Grécia recupera e mostra que nada é final no destino das nações. Que o diga a Islândia. Podem tardar 100 anos. Podem tardar 20. Ou podem tardar 10. Mas o dia em que os números da Grécia, independentemente de quão maus tenham sido até ao fundo negro fecal, invertam a tendência – e esse dia, diz-nos a matemática de Pitágoras, que chega – ficará marcado na pedra tumular da União Europeia do pós-guerra.

É isto que está em jogo. Sá a Alemanha parece ter esquecido. Portugal faz o papel do mete nojo, que bate só nos que já estão no chão. Há que rachar a conta, meus amigos, agora que todos comeram satisfeitos. “Quem com galinhas se mete farelos come”. Façam-se outras regras para o jantar que se segue. Mas não se pense que ao obrigar o Grego a sair por mau comportamento, ficamos rodeados de santos. É que ele sai da mesa, mas continuamos a comer farelos e a dizer que é lagosta…

Sintra fecha o ciclo – O que vale a Pena

série1aulalivre2015

Aos poucos, puxado pelos amigos que se iam inscrevendo e, por um motivo ou outro, não conseguiam estar presentes, fui acrescentando datas ao Calendário de Visitas das Aulas Livres. “Não conseguir ir à Pena! Quando é que vais repetir?”, diziam. “E a Regaleira?”, insistiam. Como não devo ter disponibilidade para repetir algo deste género nos próximos tempos, lá fui aceitando os desafios, semana após semana. Esta semana irá chegar ao fim o ciclo actual de Visitas e Aulas e já abordámos tantos temas e usámos os locais e edifícios históricos como pretexto para tanta filosofia que parece que estou a regressar a casa de uma longa viagem ao regressar à Pena! De Dante a Platão, de Pessoa a Lima de Freitas, de Percival a Galaaz, de lugar em lugar, ideia em ideia, questão em questão, enquadrando os lugares, as doutrinas, as perplexidades. Muito ficou por dizer e muito por observar. Mas a paixão pelos lugares ficou patente. E feliz fui ao ver a paixão compartilhada por tantos.

A eles, obrigado!